Orientadora Educacional - Psicopedagoga

Minha foto

Orientadora Educacional e Psicopedagoga Clínica e Institucional. Experiência profissional na área de Educação Infantil e Ensino Fundamental. Especialização com crianças e adolescentes com dificuldades de aprendizagem.

O dia a dia de zero a cinco

Este espaço foi criado para pais , mães e todos os profissionais que tenham interesse em refletir sobre desenvolvimento infantil de crianças de zero a cinco anos.


Meu propósito é trazer temas interessantes como dificuldades de aprendizagens, a importância do pensamento e linguagem na infância, organização, currículo e funcionamento de creches e centros de educação infantil, cuidar e educar, organização do espaço e tempo na infância,limites, brincadeiras, teatro, música, informática, inclusão, literatura, relações entre pais, mães, professores e escola, entre outros.


Entrem, deixem suas dúvidas, críticas, sugestões e comentários.


Sejam bem-vindos!


Um abraço!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Dislexia


 A palavra dislexia é derivada do grego "dis" (dificuldade) e "lexia" (linguagem) é uma falta de habilidade na linguagem que se reflete na leitura.
Dislexia não é causada por uma baixa de inteligência muito menos é uma doença. É um funcionamento peculiar do cérebro para o processamento da linguagem.
As atuais pesquisas, obtidas através de exames por imagens do cérebro, sugerem que os disléxicos processam as informações de um modo diferente. 



Pessoas disléxicas são únicas; cada uma com suas características, habilidades e inabilidades. Em diferentes graus, os portadores desse defeito congênito não conseguem estabelecer a memória fonêmica, isto é, associar os fonemas às letras.
De acordo com a Associação Brasileira de Dislexia, o transtorno acomete de 0,5% a 17% da população mundial e  pode manifestar-se em pessoas com inteligência normal ou mesmo superior e persistir na vida adulta.
A causa desse  distúrbio é uma alteração cromossômica hereditária, o que explica a ocorrência em pessoas da mesma família. Pesquisas recentes mostram que a dislexia pode estar relacionada com a produção excessiva de testosterona pela mãe durante a gestação da criança.
 Na Educação Infantil podemos observar algumas dificuldades na criança como:
·         Falar tardiamente
·         Dificuldade para pronunciar alguns fonemas
·         Demorar a incorporar palavras novas ao seu vocabulário
·         Dificuldade para rimas
·         Dificuldade para aprender cores, formas, números e escrita do nome
·         Dificuldade para seguir ordens e seguir rotinas
·         Dificuldade na habilidade motora fina
·         Dificuldade de contar ou recontar uma história na seqüência certa
·         Dificuldade para lembrar nomes e símbolo

Os sintomas variam de acordo com os diferentes graus de gravidade do distúrbio e tornam-se mais evidentes durante a fase da alfabetização. Entre os mais comuns encontram-se as seguintes dificuldades: para ler, escrever e soletrar; de entendimento do texto escrito;  para de identificar fonemas, associá-los às letras, reconhecer rimas e alterações; para decorar a tabuada, reconhecer símbolos, conceitos matemáticos (discalculia); ortográficas: troca de letras, inversão, omissão ou acréscimo de letras e sílabas (disgrafia); dificuldade na organização temporal e espacial e coordenação motora.
O diagnóstico é feito por exclusão, em geral por equipe multidisciplinar (médico, psicólogo, psicopedagogo, fonoaudiólogo, neurologista), mas, antes de afirmar que uma criança  é disléxica, é preciso descartar a ocorrência de deficiências visuais e auditivas, déficit de atenção, escolarização inadequada, problemas emocionais, psicológicos e socioeconômicos que possam interferir na aprendizagem.
É de extrema importância estabelecer o diagnóstico precoce para evitar que sejam atribuídos aos portadores do transtorno rótulos depreciativos, com reflexos negativos sobre sua auto-estima e projeto de vida.
Ainda não se conhece a cura para a dislexia. O tratamento exige a participação de especialistas em várias áreas para ajudar o portador de dislexia a superar, na medida do possível, o comprometimento no mecanismo da leitura, da expressão escrita ou da matemática.
 O diagnóstico de dislexia não significa que a criança seja menos inteligente; significa apenas que é portadora de um distúrbio que pode ser corrigido ou atenuado, tratamento da dislexia pressupõe um processo longo que demanda persistência e os  portadores de dislexia devem dar preferência a escolas preparadas para atender suas necessidades específicas.
 Saber que a pessoa é portadora de dislexia e as características do distúrbio é o melhor caminho para evitar prejuízos no desempenho escolar e social e os rótulos depreciativos que levam à baixa-estima.




Até Breve!

2 comentários:

  1. Oi querida, há poucos anos lendo um artigo identifiquei o "problrma do Vinícius; é dislexia. Ele nunca conseguiu seguir o andamento da escola e acabou desistindo, porém como o conheces muito bem ele tem uma inteligência acima da média para determinadas coisas e um excelente raciocínio, mas para a escola não consegue seguir os padrões. Coloquei-o em várias escolas particulares mas acho que naquela época (ele está com 38 anos) não havia esse conhecimento sobre o assunto. Pean. bjs querida e parabéns pelo artigo que deverá ajudar outras mães, com certeza. Bjs♥

    ResponderExcluir
  2. Olá, gostaria de saber sua opinião. Minha filha tem 4 anos e meio está na pré escola a 2 anos e ela nāo consegue aprender quase nada. Não sei de ninguém da nossa familia que sofra de deslexia, porém ela nasceu prematura e ficou 40 dias na uti neo natal, nunca apresentou nenhum tipo dd seguela, andou com 1 ano, falou sua primeiras palavras com 1 ano e meio, e hoje ela e uma criança muito esperta, gosta de cantar, tem facilidade em gravar letras de músicas, conhece bem as cores, fala bem, maiz mistura as idéias, não consegue fazer desenhos nem colorir sem rabiscar tudo, geramente usa 1 no maximo 2 cores para colorir um desenho, não consegue aprender as letras e muito menos escrever. Ela fez um exame de EEC e o médico disse que deu uma pequena alteração e receifou 10 ml de carmabazepina, senti melhoras no seu comportamento mas não no aprendizado. Ela tem dificuldadez de concentração e de obedecer nunca lembra onde deixou as coisas mesmo que ela tenha acabado de guardar, não estou conseguindo um diagnóstico para poder tratar antes que suja dificuldades no se desenvolvimento. ME Ajude e Obrigada

    ResponderExcluir